segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Garota da LAJE!

Um pouco de informações sobre “Laje” !

Primeiramente uma breve lição de português: escreve-se com ‘j’ e não com ‘g’.

Lembro-me quando era criança e a laje da casa de meus pais, onde ainda ‘parasito’, foi feita! Na verdade fazer a laje era um grande evento: chamava-se todos os homens da família e da vizinhança, com ou sem experiência – e depois de muito trabalho rolava um churrascão! Na casa dos meus pais rolou até uma ‘cachaçada’... foi a primeira vez que vi pinga na vida!



Enfim, hoje as coisas estão mais fáceis depois da popularização das lajes pré-moldadas, treliçadas, etc (já fiz um ‘post’ sobre isso anteriormente). Pode não ficar mais barato, afinal é fase de suma importância para a boa estrutura de uma construção, mas pelo menos o processo é mais célere.

Fiquei curiosa quanto a preparação para a realização da laje – agora que já tenho paredes, quero um teto, e fiz alguma pesquisa (Esse blog é ótimo http://construindominhacasa.com/construcao/laje/). Descobri que para cada tipo de vão há um tipo de laje que é mais indicado, por questões estruturais e consequentemente de segurança. Citando o blog acima “Alguns cuidados são necessários nesta etapa, como a correta colocação das mangueiras de fiação, sem obstruir as pontas, e o escoramento adequado da estrutura, para evitar “barrigas” e rachaduras.

Pelas minhas leituras a “escora” é fator determinante para que a laje seja bem realizada: as escoras podem ser feitas de madeira ou metálicas, que podem ser alugadas.
No caso das lajes pré-fabricadas, a escora deve ser feita antes da colocação das vigas, apoiadas em bases firmes, de preferência no contra piso e sob escoras, nunca deixar vãos com mais de 1,30 m sem linha de escora, respeitando sempre no vão central a contra flecha no máximo 3 cm e no mínimo 2 cm .

Para vãos até 3,40m utiliza-se sempre uma linha de escoras.
Para vãos superiores a 3,50m até 5,0m, duas escoras ou mais, se o vão ultrapassar a 5,0m.
Os pontaletes devem ser um pouquinho mais altos que as paredes.
A laje deve ficar levemente curvada para cima, formando a contraflecha, recomendada pelos fabricantes.
As escoras devem ser colocadas no sentido inverso ao de apoio das vigotas,antes da colocação dos blocos, nunca forçando as vigas para cima.
Devem estar apoiadas sobre base firme para evitar que elas afundem na hora da concretagem e fixadas com calços e cunhas .
As tábuas horizontais dos escoramentos devem ser niveladas pelo respaldo para vãos até 2,00m; acima desta medida podem haver indicações de contraflecha, dadas pelo fabricante, que deverão ser seguidas.
O prazo mínimo para retirada dos escoramentos é de 18 dias após ter sido executada a laje, para lajes em balanço o prazo é de 28 dias. (Fonte: http://www.fazfacil.com.br/reforma-construcao/escoramento-laje-pre-fabricada/)
Acredito que após a conclusão da colocação das ‘escoras’ a próxima etapa seja a realização de “caixaria” para a laje, mas este é um assunto para um próximo ‘post’.
Vídeos sobre colocação de escoras:



“Os 10 mandamentos da aplicação do concreto”

01)            Verificar se está tudo em ordem para a concretagem da laje com antecedência mínima de (2) dias.

02)            Verificar se o escoramento da laje está firme e adequado para a estrutura, mantendo-se a distância mínima de 1m em 1m.

03)            Conferir a Nota Fiscal e o lacre da bica de descarga da BT, e acompanhar a descarga do concreto.

             04)                 Molhar bem a laje antes da concretagem.

05)            Não adicionar água no concreto além da quantidade prevista na Nota Fiscal, ou acima do Slump Test especificado. Esta é a principal condição que determina a resistência final do concreto. Não adicionar água após o início da concretagem. Responsabilidade exclusiva do cliente.

06)            O concreto aplicado deverá ser vibrado com vibrador adequado durante a concretagem. Se não for feito este procedimento, poderá ocorrer fissuras na superfície.

07)            Molhar a laje após o término da concretagem, e repetir esta operação 3 vezes ao dia e por 7 dias consecutivos, no mínimo. Esta é a fase importante chamada de “cura do concreto”, que impedirá ou diminuirá o surgimento de fissuras na superfície do concreto.

08)            Após cada operação descrita no tópico anterior, cobrir a laje com lona plástica, para que a cura do concreto fique boa, e não sofra de intempéries (chuva,temperaturas elevadas, vento).
09)            Caso o concreto seja do tipo bombeado, deixar 2 (dois) sacos de cimentos à disposição da equipe, a fim de fazer argamassa ou nata de lubrificação da bomba.

10)            Se as providências acima não forem cumpridas, muito provavelmente a laje apresentará FISSURAS em maior ou menor grau. Porém, mesmo com todos os cuidados acima descritos, se ocorrem algumas fissuras, é importante elimina-las logo que apareçam (algumas horas após a concretagem), com a simples aplicação de desempenadeira de aço na área fissurada, e, se necessário, aplicar uma película de nata de cimento (0,50 litro de água/ 1 Kg cimento) nas mesmas. O surgimento de fissuras é proveniente de falhas no sarrafeamento, acabamento do concreto, cura mal feita ou falta de cura. É importante salientar também que o concreto é um material permeável, não dispensando a impermeabilização necessária contra vazamentos de água, ou a realização de uma cobertura (telhado), portanto não garantimos que não ocorrerão vazamentos. (Fonte: http://www.concremix.com.br/10-mandamentos-aplicacao-concreto.html)