sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Continuamos sem teto, essa é a verdade! Enquanto a laje não vem,  sonhamos com o piso.
Nossa ideia inicial é fazer toda a sala do primeiro andar, e escada, de cimento queimado: o bom e velho vermelhão que, como as velhas havaianas em branco e azul, ganhou um tapa no visual e ficou chique! 

Acho até que já postei sobre ele!

Enfim, nas andanças da vida o Felipe descobriu uma empresa chamada WRM Pisos - http://www.wrmpisos.com.br/  - que faz um trabalho chamado Lapidação de Concreto. Pela minha leitura é mais indicado para ambiente industriais - mas como moraremos no Distrito Industrial de Vespasiano e pouco nos importamos com o que dizem os outros, estamos considerando a possibilidade - particularmente, eu GOSTEI DEMAIS, contudo precisamos saber se gostaremos também do preço.

No que consiste a LAPIDAÇÃO DE CONCRETO?

De acordo com informações tiradas do site da WRM Pisos:

  um sistema de tratamento da superfície do concreto com ferramentas que podem ser de ligas metálicas ou resinadas Diamantadas, ligas de Pedra e fibras, que combinado com a adição de endurecedores superficiais, produz um brilho natural.
O tratamento aumenta a durabilidade da superfície, tornando-o mais denso e resisntes, elimina marcas e reduz custo com manutenção."

A limpeza parece ser muito fácil,e não marca fácil como é o caso do cimento queimado que exige maiores cuidados para a manutenção.

O único aspecto que realmente me assusta é o preço - mas já fiz um solicitação de orçamento preliminar, quando obtiver resposta, posto aqui.

Para mais informações, visitem o site da empresa que fica aqui em Belo Horizonte, eles tem uma lista de PROCEDIMENTOS PARA APLICAÇÃO que podem ser interessantes:

http://www.wrmpisos.com.br/index.php/lapidacao-de-concreto-2/ 


 Antes da Lapidação.

 Depois da Lapidação


MAIS FOTOS DO PROCEDIMENTO.




segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Esse fim de semana o Blog está parado: não fizemos nenhuma visita, tive prova de concurso no domingo, portanto não há fotos para acompanharmos a evolução da obra!

O pior é que nem passei, mas também não estudei!

O Meirim já convocou a empresa responsável pela laje de isopor para ir a obra e fazer as medidas para a colocação no primeiro andar. (treliças e blocos de isopor). Felipe irá até o condomínio para acertar os valores.

As ferragens da laje são de responsabilidade do Alexandre, que tem trabalhado conosco desde o início da obra.

Semana passada me desesperei ao consultar o saldo da conta para a execução da obra: temos apenas o suficiente para mais quatro semanas, isso quer dizer que temos que assaltar um banco e conseguir pelo menos R$ 15.000,00 para concluir a mão-de-obra da alvenaria de nossa casa. Então, Felipe, tranquilo como ele só sabe ser, disse: 'está ótimo! Pensei que precisaríamos pegar mais $$$ emprestado!' É claro que isso me deixou bem mais tranquila, apesar de não completamente!


Não se assuste se, em breve, eu bater a sua porta vendendo rifa para uma noite na semi-suíte de nosso canto do Residencial GranPark, vendendo alfajor, me oferecendo para dar aulas de inglês, fazer massagem no seu pé, ou levar seu cachorro para passear - tudo com muita dignidade!

Não somos "Criança Esperança" mas também estamos aceitando sua contribuição (Basta me ligar e pegar o número da minha conta...rs...)


quarta-feira, 21 de agosto de 2013

MAS AFINAL, O QUE A ESCORA ESCORA?

Meu último ‘post’ foi sobre escoras, mas na verdade coloquei o carro na frente dos bois, os seriam as escoras antes da ‘caixaria’ e da ‘laje’?

Enfim, levantadas as paredes, devemos fazer toda a preparação para que essas agüentem o peso, tanto da laje quando de todo o segundo andar. E como é feita essa sustentação?

Pelo que entendi papeando por ai, é nesse momento que são feitas as colunas e vigas, para isso são feitas armações de ferro, que serão preenchidas com concreto.




Para o preenchimento dessas colunas e vigas é feita a ‘caixaria’ – literalmente caixas de madeira (parecidas com as cintas feitas no alicerce da casa).

Enquanto estou escrevendo o ‘post’ bate a dúvida: qual a diferença entre viga, coluna e pilar?

PILAR: Um pilar é um elemento estrutural vertical usado normalmente para receber os
esforços verticais de uma edificação e transferi-los para outros elementos, como as fundações. Costuma estar associado ao sistema laje-viga-pilar.
A palavra pode ser usada como sinônimo para coluna, embora esta tenha um significado próprio. Além disso, cotidianamente costuma-se diferenciá-los pelo fuste: enquanto o pilar o possui quadrangular ou poligonal, nas colunas o fuste é arredondado. Esta definição, no entanto, não é adotada em todos os países de língua portuguesa.


COLUNA: Uma coluna é um elemento arquitetónico destinado a receber as cargas verticais de uma obra de arquitetura (arcoarquitraveabóbada) transmitindo-as à fundação. Embora tenha a mesma função de um pilar, este é geralmente mais robusto e de secção quadrada, (o que poderia corresponder genericamente ao fuste da coluna). A coluna costuma ser caracterizada por uma estrutura mais esbelta e esguia em prumo (tradicionalmente de secção cilíndricapodendo também ser poligonal) e que acarreta um significado histórico, decorativo e simbólico mais acentuado. Os materiais de construção podem variar entre a pedraalvenariamadeirametal ou mesmo tijolo atingindo-se uma grande variedade formal e decorativa que se pode observar desde a antiguidade.


VIGA: Uma viga é um elemento estrutural das edificações. A viga é geralmente usada no sistema laje-viga-pilar para transferir os esforços verticais recebidos da laje para o pilar ou para transmitir uma carga concentrada, caso sirva de apoio a um pilar. Pode ser composta de madeiraferro ou concreto(português brasileiro) ou betão (português europeu) armado. A viga transfere o peso das lajes e dos demais elementos (paredesportas, etc.) às colunas.
A parte da engenharia civil que se dedica ao estudo das tensões recebidas pela estrutura e ao seu dimensionamento é a engenharia estrutural.


Pelo que entendi: pilar = coluna (vertical); viga (horizontal).

Resumindo: a caixaria para pilares e vigas é feita antes da escora (agora parece óbvio).

Nossos executores de obra estão terminado a estruturação dos pilares.

Fotos, agora sim da nossa casa, tiradas em 21/08/2013.







  



segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Garota da LAJE!

Um pouco de informações sobre “Laje” !

Primeiramente uma breve lição de português: escreve-se com ‘j’ e não com ‘g’.

Lembro-me quando era criança e a laje da casa de meus pais, onde ainda ‘parasito’, foi feita! Na verdade fazer a laje era um grande evento: chamava-se todos os homens da família e da vizinhança, com ou sem experiência – e depois de muito trabalho rolava um churrascão! Na casa dos meus pais rolou até uma ‘cachaçada’... foi a primeira vez que vi pinga na vida!



Enfim, hoje as coisas estão mais fáceis depois da popularização das lajes pré-moldadas, treliçadas, etc (já fiz um ‘post’ sobre isso anteriormente). Pode não ficar mais barato, afinal é fase de suma importância para a boa estrutura de uma construção, mas pelo menos o processo é mais célere.

Fiquei curiosa quanto a preparação para a realização da laje – agora que já tenho paredes, quero um teto, e fiz alguma pesquisa (Esse blog é ótimo http://construindominhacasa.com/construcao/laje/). Descobri que para cada tipo de vão há um tipo de laje que é mais indicado, por questões estruturais e consequentemente de segurança. Citando o blog acima “Alguns cuidados são necessários nesta etapa, como a correta colocação das mangueiras de fiação, sem obstruir as pontas, e o escoramento adequado da estrutura, para evitar “barrigas” e rachaduras.

Pelas minhas leituras a “escora” é fator determinante para que a laje seja bem realizada: as escoras podem ser feitas de madeira ou metálicas, que podem ser alugadas.
No caso das lajes pré-fabricadas, a escora deve ser feita antes da colocação das vigas, apoiadas em bases firmes, de preferência no contra piso e sob escoras, nunca deixar vãos com mais de 1,30 m sem linha de escora, respeitando sempre no vão central a contra flecha no máximo 3 cm e no mínimo 2 cm .

Para vãos até 3,40m utiliza-se sempre uma linha de escoras.
Para vãos superiores a 3,50m até 5,0m, duas escoras ou mais, se o vão ultrapassar a 5,0m.
Os pontaletes devem ser um pouquinho mais altos que as paredes.
A laje deve ficar levemente curvada para cima, formando a contraflecha, recomendada pelos fabricantes.
As escoras devem ser colocadas no sentido inverso ao de apoio das vigotas,antes da colocação dos blocos, nunca forçando as vigas para cima.
Devem estar apoiadas sobre base firme para evitar que elas afundem na hora da concretagem e fixadas com calços e cunhas .
As tábuas horizontais dos escoramentos devem ser niveladas pelo respaldo para vãos até 2,00m; acima desta medida podem haver indicações de contraflecha, dadas pelo fabricante, que deverão ser seguidas.
O prazo mínimo para retirada dos escoramentos é de 18 dias após ter sido executada a laje, para lajes em balanço o prazo é de 28 dias. (Fonte: http://www.fazfacil.com.br/reforma-construcao/escoramento-laje-pre-fabricada/)
Acredito que após a conclusão da colocação das ‘escoras’ a próxima etapa seja a realização de “caixaria” para a laje, mas este é um assunto para um próximo ‘post’.
Vídeos sobre colocação de escoras:



“Os 10 mandamentos da aplicação do concreto”

01)            Verificar se está tudo em ordem para a concretagem da laje com antecedência mínima de (2) dias.

02)            Verificar se o escoramento da laje está firme e adequado para a estrutura, mantendo-se a distância mínima de 1m em 1m.

03)            Conferir a Nota Fiscal e o lacre da bica de descarga da BT, e acompanhar a descarga do concreto.

             04)                 Molhar bem a laje antes da concretagem.

05)            Não adicionar água no concreto além da quantidade prevista na Nota Fiscal, ou acima do Slump Test especificado. Esta é a principal condição que determina a resistência final do concreto. Não adicionar água após o início da concretagem. Responsabilidade exclusiva do cliente.

06)            O concreto aplicado deverá ser vibrado com vibrador adequado durante a concretagem. Se não for feito este procedimento, poderá ocorrer fissuras na superfície.

07)            Molhar a laje após o término da concretagem, e repetir esta operação 3 vezes ao dia e por 7 dias consecutivos, no mínimo. Esta é a fase importante chamada de “cura do concreto”, que impedirá ou diminuirá o surgimento de fissuras na superfície do concreto.

08)            Após cada operação descrita no tópico anterior, cobrir a laje com lona plástica, para que a cura do concreto fique boa, e não sofra de intempéries (chuva,temperaturas elevadas, vento).
09)            Caso o concreto seja do tipo bombeado, deixar 2 (dois) sacos de cimentos à disposição da equipe, a fim de fazer argamassa ou nata de lubrificação da bomba.

10)            Se as providências acima não forem cumpridas, muito provavelmente a laje apresentará FISSURAS em maior ou menor grau. Porém, mesmo com todos os cuidados acima descritos, se ocorrem algumas fissuras, é importante elimina-las logo que apareçam (algumas horas após a concretagem), com a simples aplicação de desempenadeira de aço na área fissurada, e, se necessário, aplicar uma película de nata de cimento (0,50 litro de água/ 1 Kg cimento) nas mesmas. O surgimento de fissuras é proveniente de falhas no sarrafeamento, acabamento do concreto, cura mal feita ou falta de cura. É importante salientar também que o concreto é um material permeável, não dispensando a impermeabilização necessária contra vazamentos de água, ou a realização de uma cobertura (telhado), portanto não garantimos que não ocorrerão vazamentos. (Fonte: http://www.concremix.com.br/10-mandamentos-aplicacao-concreto.html)


domingo, 18 de agosto de 2013

A última visita a obra foi em 14/08/2013. As paredes do primeiro andar já estão bem adiantadas. Acreditamos que até o fim da semana que vem já tenhamos nossa primeira lage - deixaremos de ser sem teto.

 Vista de dentro, á esquerda - onde estão estas aberturas estreitas - será a escada para o segundo andar.
 Parede do fundo da casa. Essa área será nossa cozinha.
 Abertura logo a frente será a despensa. E mais a frente, onde está a porta a esquerda, será o lavabo.
 Janelas da sala de jantar e de estar conjugadas. 
 Vista da frente.
 Lado exterior esquerdo. Detalhe do porão.
 Janelas das salas de jantar e estar.

Esse fim de semana estivemos em Montes Claros para o casamento de Agenor e Geane. Esperamos contar com a presença do pessoal da Agronomia da nossa casa também!!!


segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Mais de 2.000 visualizações do Blog!!! Obrigada pelo carinho, e quem sabe um dia você não toma um café lá em casa?!


domingo, 11 de agosto de 2013

11/08/2013 - ENFIM: TIJOLOS!!!

Bem, o tão esperado momento de ver as paredes subirem e a casa tomar forma se tornou realidade.

Os executores da obra já solicitaram a locação dos andaimes, para prosseguirem ao levantamento das paredes. Como pode ser visto nas fotos, existem partes com blocos de concreto, este acabamento foi feito onde serão colocadas janelas ou vidraças.


Os executores da obra estão fazendo as juntas verticais de forma seca - sem cimento, para facilitar a passagem do material elétrico e hidráulico, não sendo necessária a quebra exagerada dos tijolos - que já tem buracões!

Interessante também foi descobrir a existência do "meio tijolo", que evita o desperdício com quebra no momento da divisão dos tijolos, e otimiza o tempo de trabalho.


Outra descoberta é foi a locação dos andaimes: esse equipamento é locado por dia e por metro quadrado.

Para terminar o post de hoje, recebemos hoje, dia dos pais, a visita de uma 'pãe' e de um pai de coração: Kátia e Odilar.


 Toda esta parte à esquerda é nossa sala conjugada!




 Nossa sala!
 Lavabo.
 Cozinha.
 Despensa.
Sala vista dos fundos.

domingo, 4 de agosto de 2013

04/08/2013

Hoje fomos ao condomínio ver o andamento da obra. 
Ainda sem tijolos para a minha tristeza - exceto por este, que Felipe colocou ali para pôr um sorriso no meu rosto!




O atraso se deve principalmente ao serviço prestado pela empresa CONCRETAR CONCRETO LTDA EPP.: demorou a fazer o serviço e ainda, aparentemente, entregou menos concreto usinado do que a quantidade que compramos. Nossos pedreiros precisaram fazer concreto para completar cerca de 1/3 da área (da para ver a diferença entre a parte de concreto usinado e a que eles fizeram - mais escura).


Os dados da empresa picareta, que nos deu um prejuízo de aproximadamente R$ 600,00, mais um ou dois dias de atraso na conclusão de nossa obra:

Concretar Concreto Ltda. CNPJ: 11.931.384/0001-82
Endereço: Avenida Asas 20. Fazenda Vermelha - Lagoa Santa

Da próxima vez, acho que será melhor esperar pela empresa que já conhecemos para prestar o serviço.

E mais fotos de hoje!
Não vejo a hora de esta casa ficar pronta e eu poder deitar no quintal olhando este céu azul lindo, com meus cachorros correndo soltos pelo quintal e tendo companheiro meu grande amor!






quinta-feira, 1 de agosto de 2013

E que Agosto não seja o mês do desgosto...

01/08/2013

Ontem (31/07/2013) Felipe passou muita raiva: apesar de ter combinado com a empresa de concretagem, ter pago os valores referentes ao serviço e ter ido ao condomínio para acompanhar ... os caminhões não aparecerem! Tentando olhar pelo lado positivo, os executores da obra puderam fazer todo o serviço com "folga" de tempo, inclusive passar os canos da rede esgoto para se evitar o 'quebra-quebra' depois.
O bicho ficou bravo, ligou e brigou, mas infelizmente não adiantou. Ontem foi um dia perdido. 
Enfim, hoje a empresa foi ao condomínio e fez o trabalho necessário, então HABEMUS ALICERCES!!! 

As fotos abaixo são de ontem: o dia do bolo!!!

 Fez-me lembrar do cacau em o Rei do Gado.
 Trabalhando nos canos da rede de esgoto da lavanderia.
 No domingo, espero ver alguns desses mocinhos já metamorfoseados em parede.
 Mais caixa de brita.



Buracões da rede de esgoto.